Senadores alertam para risco de atos antidemocráticos em outros países | Sistema Virtua
Brasil

Senadores alertam para risco de atos antidemocráticos em outros países

A invasão do Capitólio, local de reunião do Congresso americano, por apoiadores do ainda presidente americano Donald Trump, na quarta-feira (6), em Washington, gerou uma série de condenações por parte dos senadores brasileiros em seus perfis nas redes sociais. Em sua maioria, eles definiram o ato como extremista e antidemocrático e alertaram para o risco de outras nações estarem sujeitas a esse tipo de agressão.

“A invasão do Congresso dos Estados Unidos por manifestantes pró-Trump, para impedir sessão que certificaria a vitória de Joe Biden, é uma verdadeira afronta à democracia. Que sirva de alerta ao Brasil e que estejamos atentos para resistir a qualquer ameaça desta natureza no nosso país”, alertou o senador Jaques Wagner (PT-BA).

Insuflados por Trump para se manifestarem na capital americana, extremistas tomaram o Capitólio para impedir que o Congresso certificasse a vitória do presidente eleito Joe Biden, a última etapa antes da posse no próximo dia 20. Ao menos quatro pessoas morreram e 52 foram presas em Washington.

O presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE), Nelsinho Trad (PSD-MS) disse que o ato é “inadmissível” e representa uma agressão daqueles que não aceitaram a derrota nas urnas.

“Da mesma forma que os vencedores devem saber vencer, os derrotados devem compreender a derrota e aceitá-la, isso faz parte da democracia. Estes manifestantes representam uma minoria inconformada, e essa atitude é inadmissível!”, afirmou.

A mesma condenação fez a senadora Leila Barros (PSB-DF). Para ela, os extremistas desrespeitaram a Constituição e o resultado das eleições norte-americanas.

“A invasão do Capitólio, nos Estados Unidos, nesta quarta-feira, é um ato extremista dos que perderam e não respeitam a vontade da maioria. As cenas de violência que acompanhamos são uma ameaça à democracia e mandam um sinal de alerta à comunidade internacional, incluindo o Brasil”, acrescentou.

Para o ex-presidente da República e senador Fernando Collor (Pros-AL), as cenas no Capitólio impressionaram pelo seu “forte simbolismo”. Ele defendeu a retomada da normalidade do rito democrático: “Faço votos de que a sessão do Congresso seja retomada ainda hoje (ontem) e o processo eleitoral possa ser, enfim, devidamente concluído pelo Parlamento”. Os parlamentares voltaram a se reunir, de madrugada, e ratificaram a contagem dos votos no Colégio Eleitoral, que deu vitória a Biden.

Já a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) classificou o ataque como “grave” e que indica uma clara tentativa de golpe à maior democracia do mundo.

— Numa democracia, invadir o Parlamento é claramente uma tentativa de golpe. A democracia americana foi profundamente agredida pela estupidez de um líder que não aceita perder nas urnas, e isso é muito grave — disse em entrevista à Rádio Senado.

Para o senador Cid Gomes (PDT-CE), “não se deve brincar com a democracia”. Ele atentou para a obrigação de se respeitar o resultado das eleições.

“Assistimos hoje nos EUA uma afronta ao estado de direito. É um péssimo exemplo que pode suscitar aventuras antidemocráticas em outros países. Toda atenção é pouco”, enfatizou.

O líder do Podemos, senador Alvaro Dias (PR), citou que os extremistas “mostraram a cara horrenda da intolerância” e confirmaram que a ignorância não tem limites.

“A violência, a intolerância, o extremismo prepotente, a afronta a soberania popular, não edificam nações civilizadas”, completou.

Já na avaliação da presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Simone Tebet (MDB-MS), não há espaço para retrocessos na democracia. Ela também condenou o que chamou de desrespeito à Constituição.

“Não se trata de invasão de um prédio público, mas da democracia na sua essência: o respeito à soberania da vontade do povo norte-americano. Democracia e submissão de todos à Constituição Federal não admitem retrocessos e precisam ser reconhecidos como valores absolutos”, destacou.

Nos primeiros momentos da invasão ao Capitólio, o presidente do Senado e da Mesa do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, divulgou nota em repúdio ao ato de violência e se solidarizou com os congressistas e o povo americano.

“As imagens da invasão ao Congresso americano, em uma tentativa clara de insurreição e de desprezo ao resultado das eleições por parte de um grupo, são inaceitáveis em qualquer democracia e merecem o repúdio e a desaprovação de todos os líderes com espírito público e responsabilidade. O Senado Federal brasileiro acompanha atentamente o desenrolar desses acontecimentos, enviando aos congressistas e ao povo americano nossa solidariedade e nosso apoio. Defendo, como sempre defendi, que a democracia deve ser respeitada e que a vontade da maioria deve prevalecer”, disse.

Confira as manifestações de outros senadores.

Fabiano Contarato (Rede-ES):

“Os detratores da democracia, insuflados por tiranetes, atentam contra as instituições, buscando subverter as urnas. Se não puderem acatá-las pelo espírito público que de todos se espera, que sejam dissuadidos de sua empreitada maldita pelo peso da lei!”

Soraya Thronicke (PSL-MS):

“Chegamos aqui sem nenhum ato de vandalismo e me orgulho de ter participado da organização de inúmeras manifestações democráticas e pacíficas. Meu repúdio a qualquer ato antidemocrático advindo de qualquer lado.”

Paulo Rocha (PT-PA):

“O que está acontecendo agora nos Estados Unidos é uma das expressões do que a extrema direita é capaz, em TODOS OS LUGARES. É isto o que a política autoritária e antidemocrática promove e incentiva em todo o mundo.”

Maria do Carmo Alves (DEM-SE):

“Assisti cenas inimagináveis para todos nós que temos convicções democráticas profundas: a invasão do Congresso americano por seguidores do presidente Trump. Essa violência se deu no dia em que os congressistas se reuniram para certificar a vitória do presidente Joe Biden, causando a morte de uma pessoa. Repugnante!”

Esperidião Amin (PP-SC):

“Acompanhei a reportagem da CNN sobre a invasão do Congresso dos Estados Unidos! Coisa de Netflix! Provavelmente, o ‘mercado’ vai declarar valorização do dólar! Aqui, seria coisa de ‘republiqueta!’. O filme Independence Day é ‘coisa miúda’! Como lembrou Obama, em seu discurso de 16/11/2016, depois da eleição de Trump, a democracia está enfrentando dificuldades muito grandes para resolver problemas postos RADICALMENTE! Discurso feito, não por acaso, em Atenas.”

Renan Calheiros (MDB-AL):

“O mundo chocado com imagens de Washington. Hordas de desordeiros insuflados por mentiras de Trump pisoteiam a Constituição e afrontam a democracia. Aqui, seus apoiadores estão calados. Melhor assim.”

Eduardo Braga (MDB-AM):

“A invasão do Congresso norte-americano é uma afronta escandalosa à democracia. Um exemplo de selvageria e radicalismo que precisa ser repudiado com todo vigor. Acatar o resultado das urnas e a vontade da maioria é princípio básico de qualquer nação democrática.”

Marcos do Val (Podemos-ES):

“Mais de 325 milhões de americanos foram envergonhados por esse grupo. Um país em que a democracia vige há 233 anos não poderia passar por isso.  Meu apoio a todos os americanos que respeitam essa democracia, que sempre foi exemplo para o mundo!”

Carlos Fávaro (PSD-MT):

“A democracia é soberana porque representa a vontade do povo. Cenas de ataque à democracia como estamos vendo nos Estados Unidos são repudiáveis porque atacam não apenas uma eleição, atacam, com efeitos globais, as liberdades e os direitos dos cidadãos.”

Jean Paul Prates (PT-RN):

“A ‘maior democracia do mundo’ tem dia de república bananeira. Horas atrás, Trump usou o Twitter para incitar extremistas a uma reação contra sua derrota. Arruaceiros invadiram o Capitólio e paralisaram o processo que proclamaria Joe Biden presidente. Não se deve brincar com a democracia, e é isto que acontece quando se elegem irresponsáveis para cargos de liderança. Respeitar a voz das urnas é obrigação de todos, seja nos Estados Unidos ou no Brasil.”

Rodrigo Cunha (PSDB-AL):

“Extremante preocupante o episódio de hoje nos Estados Unidos. É inadmissível qualquer ato de violência à democracia. Não podemos retroceder.”

Rogério Carvalho (PT-SE):

“O Trump, assim como o Bolsonaro, não se submete a nada além da própria vontade. Eles ameaçam a democracia e o processo civilizatório da humanidade. São populistas e autoritários. O mundo já sabia e sabe do que eles são capazes.”

Humberto Costa (PT-PE):

“O mundo acompanha o infeliz desfecho de um presidente desagregador, extremista, uma verdadeira fábrica de fake news, que nunca demonstrou apreço pela democracia. Que sirva de alerta para o Brasil. Trump é um fanático que, derrotado nas urnas pela vontade popular, joga o próprio país no caos para tentar proveito político disso.”

Alessandro Vieira (Cidadania-SE):

Fonte: Agência Senado

Outras notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *